20 de dezembro de 2012

19 de dezembro de 2012

Da magia do Natal (not)

Primeiro eram as cartas pensadas e cuidadosamente escritas. Coitadas, a pouco e pouco, foram sendo claramente ultrapassadas pelos postais de Natal, muitos deles já com mensagem incluída, não fosse uma pessoa ter muito trabalho para pensar o que escrever. Houve alturas em que um telefonema se impunha mas logo depois chegou a loucura das sms e mms. Num repente, os postais passaram a electrónicos, para poupar tempo e dinheiro, dizem. E agora? Agora, pelos vistos, temos o facebook. A vomitar desejos de boas festas para as centenas de amigos à distância de um clique. A aproximar pessoas (será mesmo?) desde 2004. Haverá forma mais personalizada de desejar as boas festas a alguém?

Não gosto disto, tal como não gosto das coisas desprovidas de sentido de uma forma geral. Eu ainda sou pelas tradições.

17 de dezembro de 2012

Objectivo #3 para 2013

Não entrar em centros comerciais. 2013 vai ser, definitivamente, um ano de menos consumismo.

Hoje cá por casa andamos assim:




a preparar as decorações natalícias e os presentes feitos em casa com muito amor e carinho.

Se soubessem o cheirinho que está neste momento na minha cozinha....

16 de dezembro de 2012

Projecto #1 - "Destralhanço total"

O objectivo aqui é livrar-me de tudo o que é acessório, não me faz falta, não uso, não gosto e não quero mais ver à minha frente. Basicamente, aqueles objectos que fui guardando ao longo dos anos a pensar que ainda me poderiam vir a fazer falta, quem sabe, um dia, e que não deitei fora ou me livrei deles por terem sido caros ou por respeito a quem mos ofereceu. Pois bem, se estes objectos não me trazem felicidade, se não gosto deles e se, ainda por cima não me são úteis, para quê guardá-los? Para ter tralha só porque sim? Não, muito obrigada.

Assim, decidi literalmente começar numa ponta e acabar na outra. Começo pela cozinha que é a divisão mais à esquerda da minha casa e terminarei no quarto, a divisão mais à direita da casa. Na cozinha, irei começar também pelo lado esquerdo e de baixo para cima. O objectivo é fazer uma razia total a cada recanto da minha casa, não deixando nada para trás que não se insira numa resposta afirmativa às seguintes questões: a) gosto disto?, b) uso isto?; c) é-me útil para alguma coisa?

Não vou, obviamente, fazer tudo de uma assentada. Essa é a principal razão pela qual a grande maioria dos meus projectos falha. Vou fazer apenas uma tarefa por dia, no máximo duas e vou tentar não demorar mais de 15 minutos em cada tarefa. Quero ser organizada e não picuinhas, correndo o risco de ficar maluca.

Apesar de este projecto ser um dos meus grandes objectivos para 2013 (e que é bem capaz de durar o ano todo), estava tão empolgada que já o comecei. E deixo-vos aqui as provas, com o antes e o depois.

Módulo de quatro gavetas de cozinha - uma por dia:


Gaveta 2 - Antes


Gaveta 2 - Depois

Gaveta 3 - Antes

Gaveta 3 - Depois


Gaveta 4 - Antes

Gaveta 4 - Depois

Peço desculpa mas com o entusiasmo esqueci-me de fotografar o antes e depois da primeira gaveta.

Outro pormenor: nada do que se encontrava dentro destas gavetas foi deitado para o lixo ou dado (à excepção daquilo que não tinha mesmo qualquer utilidade ou que eu sei que já não vou voltar mesmo a usar). Posso querer ser minimalista mas não sou parva! O objectivo aqui é livrar-me das coisas de que não preciso ou antecipo não precisar no futuro. Os talheres que deixei nas gavetas são os suficientes e ideais para o nosso dia-a-dia. Os outros ficarão guardados dentro de uma caixa no aparador da sala para quando tivermos visitas. Não quero ser apanhada desprevenida nem ter de ir comprar talheres - ou o que quer que seja - à última da hora!

Vou deixando por aqui um ou outro relato àcerca deste projecto para que um dia, mais tarde, possa recordar como era e o que tinha na minha casa e a empreitada a que me propus!

15 de dezembro de 2012

Hoje (re)descobri

que, às vezes, não interessa bem o que fazes. Desde que o faças por amor.

13 de dezembro de 2012

Estes dias têm sido tão bons...

Tenho estado por casa, a estudar para os últimos exames do Mestrado. Não tenho tido problemas de maior nem chatices com o escritório (aos poucos, têm começado a perceber o conceito do out of the office), tenho conseguido acordar cedo e fazer tudo o que gosto durante o dia. É certo que a maior parte do meu dia é passada a estudar, mas tenho conseguido ir correr e andar a pé (têm estado uns dias fantásticos na Ericeira!), manter a casa organizada e preparar refeições o mais saudáveis possíveis. E o pior (ou melhor, dependendo do ponto de vista) é que me estou a habituar a isto e era capaz de levar assim a minha vidinha toda... (but then again, be careful' what you wish for...)

12 de dezembro de 2012

12.12.12.

Começa em ti as mudanças que queres ver no Mundo.

É o que eu vou fazer.

7 de dezembro de 2012

Simple food = simple flavours

Guisado de ervilhas com tofu e um ovo escalfado


Tão simples e tão bom. Basta refogar uma cebola num pouco de azeite, juntar as ervilhas e temperá-las com sumo de meio limão e coentros e um pouco de sal dos Himalaias (cá em casa deixámos de usar o sal comum - a pouco e pouco, vamos fazendo opções mais saudáveis). Quando as ervilhas estiverem quase no ponto, juntar o tofu cortado em pedaços pequeninos e, pouco depois, um ovo escalfado por cima do guisado. Depois é só deixar apurar um bocadinho e deleitar-se com esta maravilha. Tão simples e tão bom.

Receita inspirada neste livro.

Objectivo #2 para 2013 - Walk 365

Andar a pé todos os dias. Sem excepção, sem desculpas, sem desistências.

Regras:
a) andar, no mínimo, 3km (ou 30 minutos, que é mais ou menos a mesma coisa)
b) não interessa se de manhã, à hora de almoço ou à noite. O importante é chegar ao final do dia e fazer um done!
c) o facto de ter de caminhar todos os dias não substitui as minhas outras actividades desportivas (como o yoga e a corrida), sendo antes um complemento às mesmas


Inspirada por esta menina aqui, vou fazer de 2013 o meu ano saudável!

6 de dezembro de 2012

Objectivo #1 para 2013



Experimentar novas comidas, novas receitas, novos sabores.

5 de dezembro de 2012

Mas depois lembro-me sempre destes


o fogo posto (o que eu amo este blogue! Só espero que agora volte de vez!)

jibóia cega (um dos meus preferidos no masculino)

do fundo da barriga (volta, por favor)

Home Sweet (and Cozy) Home (a R.é super organizada e uma fonte constante de inspiração)

pratos e travessas (mas por que é que eu não sei cozinhar nem fotografar assim? Buahhhh)

deixa entrar o sol (quando for grande quero ser como ela!)

e apercebo-me que, realmente, é muito injusto classificar apenas um (ou três) como sendo os melhores. Cada um no seu género, claro está, mas com todos eles me identifico. Resta-me acrescentar que, mesmo sem conhecer pessoalmente os rostos por detrás do monitor, os seus autores já fazem também um bocadinho (muito) parte de mim.

Best of 2012 #4

Melhor blogue português

Aqui não consigo indicar apenas um. São muitos os blogues de autores portugueses que adoro e vejo diariamente, identificando-me com tanta coisa que partilham. Os três que indico de seguida são aqueles que não passo um dia sem visitar. Já fazem parte de mim! São eles o às nove no meu blogue, tapas na língua e the busy woman and the stripy cat.

Mas há tantos, tantos outros que adoro e são para mim uma referência.

4 de dezembro de 2012

New flavours on the block

O das amêndoas. Sem dúvida, uma agradável surpresa. Assim ao natural, apenas demolhadas em água durante a noite. Comida viva, crua. É bom sentir o verdadeiro sabor dos alimentos. É bom sentir ao que sabe, por exemplo, uma amêndoa. A pouco e pouco, acho que começo a entender o conceito de simple food.

[já tinha provado amêndoas tostadas, amêndoas de chocolate, bolos e tartes de amêndoas mas não sabia ao que realmente sabiam.]

3 de dezembro de 2012

Dos meus objectivos para Dezembro

 - Estudar (muito) - aproximam-se os últimos exames do Mestrado e não me está nada a apetecer voltar em Janeiro para a fase de recurso. Esta é a altura para dar o tudo por tudo!

 - Perder 2 Kg, pelo menos, até ao Natal

 - Definir os meus objectivos, planos e projectos para 2013

 - Aproveitar ao máximo a companhia da família e dos amigos nesta época tão especial

Do passeio matinal de Domingo

Aquele momento em que os carros deixam de passar na estrada e o olhar não avista vivalma. Aquele momento em que o silêncio é absoluto e me sinto abraçada pela imensidão do mar à minha volta. Em que os pensamentos se atropelam e acalmam ao mesmo tempo. Em que o ar puro nos entra pelas narinas e nos purifica o corpo. Aquele momento em que me sinto tão grata por simplesmente estar ali. Sabem? Aquele momento? É mesmo isso.

30 de novembro de 2012

E ao fim de quase um ano...

... vou finalmente poder dormir até mais tarde num sábado de manhã. Já nem sei se consigo!

[acabaram as aulas do Mestrado. Yupi!]

Best of 2012 #3

 O Filme: "Amigos Improváveis" (The Intouchables).

Adorei este filme. Realmente o cinema francês está "em altas". Já no ano passado tinha ficado completamente de queixo caído com o filme "Les Petits Mouchoirs" (Pequenas Mentiras entre Amigos) e este vem comprovar que desde o argumento à realização, passando pelos magníficos actores, tudo é bom no cinema francês. Estou rendida.

29 de novembro de 2012

Best of 2012 #2

Livro do ano: A Bofetada, de Christos Tsiolkas [apesar de publicado em 2011, apenas o li em 2012]

Este foi um ano de leitura. Li muito. Li tanto. Tanta coisa de tantas áreas diferentes. Direito e Gestão (mais por imposição profissional e académica que por gosto pessoal, confesso), Nutrição, Culinária, Desenvolvimento Pessoal, Minimalismo, Organização e Gestão de Tempo, Ficção, Auto-biografias, enfim um sem número de áreas e temáticas totalmente diversas entre si.

Um dos que mais me marcou foi mesmo este. Uma história muito bem escrita com personagens tão bem caracterizadas e exploradas que as tornam difíceis de esquecer.
Uma menção honrosa para "O Estranho Caso do Cão Morto", de Mark Haddon e também para o "A Culpa é das Estrelas", de John Green.

Em ex aequo no primeiríssimo lugar "A arte da simplicidade", de Dominique Loreau (este é um dos livros que não me canso de ler. Já o tenho há alguns anos mas há-de ser sempre o livro do ano para mim! Faz-nos realmente ver e perceber que conseguimos viver tão ou mais felizes apenas com o essencial e, diria até, que nos faz mesmo desejar uma vida mais simples e cheia de significado) e "Miss Minimalist, Inspiration to downsize, declutter, and simplify", de Francine Jay (adoro o blog e os livros dela. Para quem tenha interesse nesta temática, o "The Joy of Less" da mesma autora também é muito bom).

28 de novembro de 2012

Best of 2012 #1

Em termos de concertos, sem dúvida alguma que a distinção vai para Bon Iver.

Adorei vê-los ao vivo quer no Coliseu dos Recreios quer no Campo Pequeno (aliás, não consigo decidir qual dos concertos gostei mais. Se o primeiro foi bom pela novidade e pelo ambiente intimista, o segundo não lhe ficou atrás com um Justin Vernon mais desinibido e totalmente entregue ao público português).

E não, o concerto do ano para mim não foi o de Muse. Com muita pena minha. Lamento mas ficam num modesto 3.º lugar.

27 de novembro de 2012

Inspiro(-me), desinspiro(-me), inspiro(-me), desinspiro(-me). Tem sido este o ritmo dos meus dias.

26 de novembro de 2012

Este fim-de-semana foi a loucura

E eu começo a ficar velha para tanto andamento! Os fins-de-semana passados com amigos do coração são quase sempre inesquecíveis. Este que passou foi simplesmente brilhante! Comemos muito (sushi no sábado e uma bela mariscada para almoço de Domingo), bebemos ainda mais (abençoado vinho branco que nos põe tão bem-dispostos!) e rimos. rimos tanto. foi tão bom.

[obrigada j. e l. pela companhia maravilhosa que nos fizeram este fds. we love you]

23 de novembro de 2012

It's friday and I´m in love

Há dias em que estou tão grata pela vida e família que tenho que é impossível não me sentir uma pessoa abençoada. Muita coisa pode correr mal à minha volta mas se há coisa de que não me posso queixar é das pessoas, das minhas pessoas. Hoje é um bom dia para agradecer. Obrigada por fazerem parte de mim e estarem sempre por perto.

22 de novembro de 2012

Da importância das rotinas

A doce rotina dos meus dias começa, por norma, bem cedo (mais precisamente por volta das 7, sendo que o objectivo são as cinco e meia, seis). Espreguiçadela para aqui, estiramento para acolá e estou pronta para sair da cama. Faço duas ou três séries de alongamentos para desentorpecer os músculos e sigo directa para a casa-de-banho. Lavar dentes, escovar rosto e corpo, leite de limpeza e tónico facial. De seguida, o meu sagrado copo de água morna com sumo de limão. Tudo com muita calma e tranquilidade.

[Este é um ritual que eu tento cumprir todos os dias. Se adormeço e acordo mais tarde ou carrego inconsequentemente no botão snooze do telemóvel vezes a mais, é certinho e garantido que o dia já não me corre tão bem.]

Depois, por norma, dou uma volta à cozinha (arrumo a loiça que ficou lavada da noite anterior, dou um jeito à bancada da cozinha, faço a cama, ponho a casa a arejar, etc…), preparo o pequeno-almoço e um chá, tomo banho, sigo o meu ritual de beleza de cremes de corpo e rosto, dou um jeito à casa-de-banho, visto-me e vou tomar o pequeno-almoço nas calmas até serem horas de ir para o escritório. Quando tenho mais tempo (ou seja, quando acordo mesmo bem cedo), ainda consigo ler qualquer coisa. Se me sinto cheia de energia, em vez de arrumar a cozinha ou ler, vou andar a pé ou correr. E fico logo tão bem-disposta. Sinto-me realizada e com a sensação de dever cumprido!







20 de novembro de 2012

De cada novo ano

Eu tenho tantos objectivos pensados, planeados e delineados para o próximo ano que a coisa que eu mais desejo é que ele realmente comece. Mas isto é uma estupidez, não é? Eu não precisava de esperar por um novo ano para começar a inserir todas estas alterações, projectos e desafios no meu dia-a-dia. Mas..., não conseguindo explicar bem porquê, é como se o primeiro dia de um novo ano me desse superpoderes! É como se só e apenas esse primeiro dia me desse a injecção de adrenalina que preciso para começar de novo. Outra vez. Como se nenhum outro dia tivesse a força do primeiro dia de um ano novo.

[Apesar de todos os dias serem um bom dia para começar de novo :)
Pelo menos, é sempre este o meu pensamento ao longo do resto do ano, quando o boost de adrenalina se perde lá para meados de Fevereiro... ]

Vou tentar que no próximo ano isso não aconteça e que 2013 seja realmente o ano em que vou conseguir ser tudo o que quero ser, em que vou dar o máximo de mim em tudo o que faço. E em que vou alcançar todas as metas a que mentalmente me venho propondo há tanto tempo. Vou preparar-me a 100% para que nada falhe, definir todos os objectivos a alcançar com metas e prazos concretizáveis e realistas. E vou também partilhar por aqui alguns desses objectivos e desafios para aqueles que, quem sabe!, pretendam acompanhar-me nestas mudanças!

19 de novembro de 2012

18 de novembro de 2012

A perfect sunday

Acordar bem cedinho, prática de yoga logo pela manhã, passeio a pé por uma Lisboa tão mais calma que o habitual.

Regresso a casa, tempo para experiências culinárias e saída para um almoço tardio e passeio a dois pelo Chiado.

Voltar para o conforto do lar, comer qualquer coisa simples e relaxar. Gosto destes dias calmos e sensaborões. Dão-me a energia perfeita para começar uma nova semana.

16 de novembro de 2012

Das surpresas

Ontem fiz uma surpresa ao meu marido (como é que é possível que passado mais de um ano, ainda me cause estranheza tratá-lo assim?!?). Levei-o ao Lux para vermos os The Irrepressibles. Consegui que, mesmo até ao início do concerto, ele nunca descobrisse ou desconfiasse sequer ao que íamos. “Mas vais levar-me ao Lux? A sério?”, perguntava-me ele totalmente incrédulo. “Sim, deram-me convites para uma festa privada”. Fixe.

Ele adorou. E eu também gostei. Um concerto super intimista, um Jamie McDermott muito pouco produzido - para o que é habitual - mas que faz o que quer da voz. E que voz. Às vezes, é mesmo de arrepiar. Único ponto negativo: a música de abertura do concerto num playback muito farsolas. Não se faz e não havia necessidade. Fiquei até um bocadinho desiludida, confesso.

[Quanto a mim, o ponto alto da noite foi mesmo ter ido ao Lux. Em 31 anos de existência nunca lá tinha posto os pés. Sou uma menina, eu sei.]

Deixo-vos com aquela que é, na minha modesta opinião, uma das músicas mais bonitas de sempre. Também vale bem a pena ver o vídeoclip.  


Bom fim-de-semana!

15 de novembro de 2012

As coisas que nós somos


Eu sempre fui uma pessoa que gostou de ter coisas. Muitas coisas. Eu não me bastava com um perfume, eu tinha de ter todos os perfumes de que gostava no momento. Mesmo que os cheiros se misturassem e demorasse meses até que os pudesse usar a todos. Com a roupa era igual. As calças pretas não me chegavam. Tinha também de ter as azuis e as brancas e, já agora, por que não?, as castanhas. E assim era com mais uma imensidão de objectos, coisas e bens materiais que, na altura, julgava não poder viver sem eles.

Era como se as minhas coisas fossem o meu mundo (em certos casos, agora muito mais controlados e seleccionados, ainda são. Mas agora dou-lhes um valor especial). Eu adorava ter coisas. O ter, o possuir, davam-me uma sensação indescritível de segurança e de conforto. Como se eu fosse mais eu por as ter, percebem? Como se eu e essas coisas fôssemos indissociáveis, como se elas definissem a minha personalidade e tomassem conta de quem eu era. Eu achava que só era assim porque as tinha.

Olhando agora em retrospectiva, percebo que eu era realmente uma pessoa materialista. Hoje percebo que as coisas não são nada ou, pelo menos, não são tudo. Ultimamente, confesso que as coisas até me atrapalham e às vezes desespera-me não saber o que fazer com a quantidade de roupas, perfumes, cremes, bijutaria e acessórios que ainda tenho lá por casa.

Há coisa de um ano para cá tenho andado a tentar livrar-me do excesso. A pouco e pouco, de forma controlada e respeitando os meus “mini-projectos de decluttering” e as minhas infindáveis to-do lists, que são meticulosamente organizadas para o efeito.

Tenho tentado levar uma vida mais simples, centrada em mim e nos meus (que são, no fundo, as “coisas” mais importantes que podemos transportar connosco) e percebi realmente que não preciso de muita coisa para ser feliz. Demorei trinta anos a chegar a esta conclusão mas atingiu-me com a força de um murro no estômago. E o caminho que fiz até aqui fez-me perceber apenas isto: eu preciso de ter menos para poder ser mais. Simple as it is.



12 de novembro de 2012

Totally in love with Sarah B.

Este fim-de-semana foi simplesmente mágico. Tive a oportunidade de conhecer uma das pessoas que mais me tem inspirado nos últimos tempos. Ela é linda de morrer, simpática até mais não, mega expressiva e tão, mas tão simples e tão querida. Falo-vos da Sarah B., a talentosa chef e holistic nutritionist (entre tantas outras coisas) por detrás do magnífico blog My New Roots.

No Domingo de manhã acordei bem cedo e nem a chuva intensa me impediu do meu propósito. Prática de yoga logo pela manhã seguida do magnífico workshop Winter Dessert Class na Casa Vinyasa, um sítio que também eu já considero a minha segunda casa.

A Sarah é realmente magnífica e o seu trabalho é verdadeiramente fantástico. Deixo-vos com algumas fotos. Mais tarde virão as receitas, depois de testadas e aprovadas pelos lá de casa.


Os preparativos


A Sarah!



Um pudim de comer e chorar por mais!


As ginger cookies antes de irem ao forno


As Chocolate Mint Tarts, uma sobremesa simples, saudável e deliciosa.


A melhor receita de granola de sempre. E eu até nem sou grande fã de granola.


Bolachinhas de gengibre. Yummi!

Esta tarte é mesmo qualquer coisa de fenomenal. Vou experimentá-la no próximo fim-de-semana e depois partilho a receita.


All photos by Miss Strawberry.

23 de outubro de 2012

Madrid e os Muse, os Muse e Madrid

Pois é, já fomos e já voltámos de Madrid. Foi giro, sim senhora, adoro aquela cidade, o bom ambiente que se vive, a alegria contagiante que sempre paira no ar. Andámos mais nestes dias a pé do que no resto do ano, certamente... (que exagero!). Explorámos a cidade quase toda a pé, como sempre gostamos de fazer. Transportes públicos não é connosco quando se trata de conhecer verdadeiramente uma cidade. Amámos o Mercado de San Miguel, o Parque do Retiro caiado de Outono, a Calle Serrano num dia de chuva, os edifícios lindos de morrer e cheios de história e as tapas, os pintxos e os bocadillos, como não podia deixar de ser. Como dizia o outro "Barcelona me encanta pero Madrid me mata"!

E o concerto? Bem, o concerto foi... bom. Sim, apenas bom. O Palácio de Deportes é um sítio fixe para um concerto, que é, mas os acessos interiores e a organização (o staff, entenda-se) são péssimos. Quanto aos Muse, foram iguais a si mesmos. Para mim, uma das melhores bandas do Mundo com músicas fantásticas que nos tocam mesmo cá dentro mas que deixa muito a desejar no que à interacção com o público diz respeito. De certa forma, também os compreendo. Nuestros hermanos não são como nós e houve momentos muito murchinhos durante o concerto. Valeu certamente a pena por uma coisa: estou sempre a pensar, nos concertos a que assisto cá, como seria um concerto dessa mesma banda num outro país, se também lhes dizem que são o melhor público do mundo e que tiveram uma das melhores noites da sua vida ao tocar para nós. E o que é certo, é que verifiquei que isso lá não aconteceu.

Eu, se fosse os Muse, também seria incapaz de lhes dizer que são o melhor público do mundo. Porque não são. Esse estatuto está reservado para nós.

15 de outubro de 2012

The 2nd law

Gosto muito deste tributo que os Muse decidiram fazer a algumas bandas que marcaram a minha existência. De INXS a 30 Seconds to Mars, passando por Queen, U2 (imagine-se) e Foo Fighters, entre outros. Há de tudo neste novo álbum. É uma maravilha. Depois, lá pelo meio, têm uma ou duas músicas que me fazem lembrar aquela banda de Devon de que eu gosto muito. Ah é isso, já sei, fazem-me lembrar os.... Muse!

O curioso é que no início não gostei nada. Fiquei até chateada com os meus meninos, habituada que estava a um registo diferente, mais intimista, mais alternativo, que tanto os caracterizou no seu início. Mas a realidade é que quanto mais se ouve mais se gosta. É caso para dizer primeiro estranha-se, depois entranha-se!

10 de outubro de 2012

Tudo isto é yoga

A vida às vezes trata-nos mal, é um facto, embora eu até seja daquele tipo de pessoas que tudo faz para que ela não me trate pior (ou que, pelo menos, sempre tenta dar a volta às situações mais incómodas e ultrapassá-las com um sorriso e boa disposição). Nem sempre é fácil, é certo, mas há coisas que ajudam e muito. O yoga, por exemplo, é uma delas. Porque às vezes a única coisa de que precisamos é, simplesmente, não pensar em nada. Esquecer, descontrair e relaxar são as palavras de ordem.

3 de outubro de 2012

E quem é que vai a Madrid ver os Muse? Quem é, quem é?

Euzinha. Agora vou só devorar o novo álbum para ir com a lição bem estudada!

Já agora, aceitam-se dicas e sugestões - daquelas mesmo boas - para essa cidade fantástica. Se possível, aquelas fora do circuito normal, claro está. [Jibóia, este pedido é especialmente para ti ;)]

27 de setembro de 2012

Leiam-no, por favor


Vão ver que não se vão arrepender. É daqueles livros irresistíveis, que não apetece parar de ler e que nos fica gravado num cantinho especial da memória. É uma história triste mas alegre ao mesmo tempo (as tiradas de humor das personagens são fantásticas), que nos deixa apreensivos quanto ao futuro mas também nostálgicos quanto ao passado, que nos traz à flor da pele o nosso lado mais sensível. Mas isso, afinal de contas, é bom. É muito bom.

25 de setembro de 2012

Olha, voltei!

Não é que realmente tivesse algo importante a dizer, portanto, na verdade, até nem me posso queixar. No primeiro mês não me fez falta, no segundo andei tão ocupada que quase não me lembrei da sua existência, no terceiro estive uns dias de férias, pelo que também não me fez espécie não conseguir aceder ao MEU PRÓPRIO BLOG mas agora, agora, confesso que já me estava a irritar. Não conseguir aceder ao meu próprio espaço enerva-me, sei lá!. É como chegar a casa, tentar abrir a porta e aperceber-me que não tenho as chaves comigo. Passa-se o mesmo quando fico sem tabaco. É sempre nessas alturas que me apetece MESMO um cigarro.

27 de junho de 2012

A música que eu gostava que fosse minha

A sério. Se eu, por algum acaso da sorte, tivesse nascido com o mais pequeno dom para a música ou com qualquer espécie de dotes vocais, esta era a música que eu gostaria de ter criado. É simplesmente perfeita demais.

18 de junho de 2012

E já são 31

Os aniversários fazem-nos pensar e, por vezes, levam-nos a tomar decisões importantes. Quanto a mim, decidi simplesmente que este irá ser o melhor ano da minha vida!

17 de maio de 2012

Da auto-estima

E o bem que faz a uma mulher umas mãos e uns pés arranjados? Como é que pude descurá-los por tanto tempo é coisa que me aflige.

22 de abril de 2012

E ao sétimo dia de estudo, a pergunta que se impõe

Onde raio estava eu com a cabeça quando decidi ir fazer a porra do Mestrado?!?!

21 de abril de 2012

Em São Bento, pela manhã (mas podia ter sido noutro sítio qualquer)

Por mais que eu evite escutar essa voz e cheirar esse cheiro, há sempre qualquer coisa a dizer-me que o meu lugar não é aqui. Um dia destes sigo o meu instinto.

3 de abril de 2012

Imperdível


E a banda sonora, meu Deus, a banda sonora....

5 de março de 2012

Adoro...



... a sensação de escrever num caderno novo.

I've got a confession to make

Quando era teenager, tinha uma paixão assolapada pelo Raúl, um dos grandes ícones do Real Madrid (por alguma coisa era - e julgo que ainda é - carinhosamente tratado pelos adeptos como Señor Raúl Madrid). Acompanhava todos os jogos da liga espanhola, registava todos os seus feitos, golos marcados, passes, assistências, enfim, eu respirava Raúl de manhã à noite. Admirava o seu carácter, atitude em campo e espírito de equipa. Era um jogador humilde mas um portento dentro das quatro linhas.

Vê-lo a ostentar a camisola do Real Madrid era qualquer coisa de indescritível!


Cá beijinho coisa mai linda!


Just for the record, Raúl Gonzalez Blanco foi o jogador mais jovem a ser utilizado pelo Real Madrid em competições profissionais (tinha apenas 17 anos). Foi também o primeiro jogador a marcar cinquenta golos na Liga dos Campeões e foi também o primeiro jogador a marcar em duas finais da Liga dos Campeões.
Mais curioso ainda (e isto é bem revelador da sua atitude em campo), nunca me lembro de Raúl ter recebido um cartão vermelho. Confesso que agora apenas tenho acompanhado de longe a sua carreira no Schalke 04 mas julgo que esta afirmação ainda hoje se mantém verdadeira. 

Não é de estranhar, portanto, que eu comprasse tudo o que eram revistas e jornais espanhóis (que ainda hoje guardo)...
 
Lembro-me também de ter ficado tristíssima em dois momentos bastante significativos da vida deste meu ídolo: o casamento com a lindíssima Mamen Sanz (estúpida!) e a saída do Real Madrid. Fiquei devastada e juro que estas duas notícias me fizeram andar com um semblante triste e carregado durante vários dias.

Em compensação, também me lembro de dois momentos de enorme alegria: a camisola com o n.º 7 estampado nas costas que me ofereceram num Natal e o poster em tamanho quase real que ainda hoje veste uma das paredes do meu antigo quarto.

É certo que hoje já não sou "fanática" mas é por tudo isto que não consigo deixar de o reconhecer como um dos melhores jogadores de sempre. Para mim, há-de ser sempre o puto mais giro do Real Madrid que joga bem que se farta!

[Um dia destes falo-vos da minha também grande pancada com esse grande toureiro de seu nome Mário Miguel (um açoriano lindo de morrer)].

3 de março de 2012

Animals united





Bem sei que é um filme para crianças mas também vos garanto que, por vezes, é preciso alimentar a criança que há em nós.
Have fun!

29 de fevereiro de 2012

22 de fevereiro de 2012

O perfume da semana #2

Este é mesmo muito bom! Além disso, lembra-me reencontros (o nosso), gestos de ternura e cumplicidade, uma vontade enorme de mudar o (nosso) mundo e de começar tudo de novo, desta vez com o pé certo.

13 de fevereiro de 2012

Coisas a reter do fim-de-semana

1. A minha Avó paterna é um espectáculo! (a outra também mas à última da hora "cortou-se" e não pude usufruir da sua companhia)
2. As minhas primas gémeas continuam iguais ao que sempre foram (há coisas que nunca mudam e nós continuamos a parecer umas miúdas)
3. Não há como contornar: eu gosto mesmo das coisas boas da vida - passeios ao ar livre, comida típica alentejana, vinho tinto do bom, gargalhadas e disparates em família (não há dinheiro nenhum no mundo que pague isto) - e é por isto que eu nunca hei-de ser magra mas é também por tudo isto que eu nunca serei uma pessoa infeliz.

10 de fevereiro de 2012

Ainda há dias bons, não há?

Ao contrário de todas as expectativas (e após um corte substancial no meu ordenado, que me apanhou de surpresa no início do ano), fui promovida e inclusive (alegria das alegrias) vou ter direito a prémio anual;
Também ao contrário de todas as expectativas, vou finalmente receber um valor que me deviam há séculos e que achei que nunca mais me pagariam (já o tinha dado por perdido, confesso...);
O orçamento que nos apresentaram para a renovação da cozinha encaixa-se mesmo nos valores que estava a precisar de "ler";
E, a cereja em cima do bolo, o mais importante de tudo: vou passar o fds em família (pais, avós, irmã, primas e enteada do meu coração incluídos!) . Vai ser bonito, vai!!!

Regressei ao yoga

Estou totalmente virada do avesso.

9 de fevereiro de 2012

Sou só eu que tremo de cada vez que recebo uma carta das Finanças?

Fico sempre a achar que fui "sorteada" para uma qualquer fiscalização aos meus últimos cinco anos de relação com a administração fiscal ou que terei de devolver um reembolso indevido de IRS ou, no limite, que tenho um qualquer processo de contra-ordenação fiscal pendente, a acumular juros a cada minuto que passa.... Juro que demoro minutos a abrir a porcaria da carta com medo do que lá possa vir escrito!

Depois, vai-se a ver e era só um agradecimento por ter aderido ao serviço de notificações electrónicas. Ufa!

O perfume da semana


[desde há uns anos que os perfumes são uma das minhas grandes paixões. Fixam momentos e emoções e os diferentes cheiros trazem-me frequentemente à memória diferentes pessoas, sítios e, sobretudo, sentimentos. Confesso que não sei ao certo quantos tenho mas são umas dezenas. 
Este ano tomei uma decisão. Não vou comprar mais perfumes (pelo menos, enquanto não gastar todos os que tenho). E, portanto, irei utilizar um por semana até os meus queridos meninos se "evaporarem". ]

[Este comprei-o em Heatrow, há uns três anos, quando regressava das Maldivas. Como tem um aroma mais forte, decidi guardá-lo até chegar o Outono. Recorda-me o quão ansiosa estava por mais um recomeço. Setembro é, para mim, o mês da mudança, do recomeçar de novo e aproveitar ao máximo as novas oportunidades e é, provavelmente (talvez por isso e por muito mais), o meu mês preferido.]

8 de fevereiro de 2012

Tenho uma alma cigana, só pode

Se eu pudesse e nada me impedisse (o meu trabalho, o mestrado em que, num acto de pura loucura, decidi inscrever-me, o dinheiro que, de momento, não disponho) metia-me(nos) no carro e ia. Simplesmente ia. Não à deriva, claro, porque já tenho um destino mais ou menos traçado. Quero muito conhecer o sul de França (apesar de não ter um especial fascínio pelo povo francês) e visitar Montpellier, Avignon, Marseille, Aix-en-Provence.... Apetecia-me mesmo sossegar por uns dias e refugiar-me em locais belos e tranquilos. E, verdade seja dita, porque também adoro roadtrips. Principalmente a dois.







A palavra que sou

Se eu tivesse de definir-me numa só palavra, seria esta: sonhadora. Sou muitas outras palavras mas esta é, sem dúvida, a que me define desde sempre.

[é por ser assim que às vezes me sinto uma estranha nos lugares mais comuns e perto das pessoas mais chegadas; é também por ser assim que às vezes me sinto diferente e a minha realidade não é igual à dos outros; mas é também por ser assim que sou eu e eu não conseguiria ser de forma diferente...]

6 de fevereiro de 2012

Let's start again

São várias as vezes ao longo do dia que abro a caixa de mensagens. A vontade de escrever está cá sempre mas acho que ando complexada. Penso sempre que não tenho nada de importante para dizer ou escrever e volta e meia fecho a caixa de mensagens sem a ter preenchido com uma palavra que seja.

Mas hoje não. Hoje tenho mesmo de escrever (este blog também é parte de mim e não quero abandoná-lo mais e continuar a fazer de conta que não existe). É mais ou menos como a minha casa. Também tenho de tratar dela e algum dia terei de limpar o pó e aspirar o chão e mudar a roupa da cama, mesmo que não me apeteça.

A questão é que às vezes é necessário fazer uma pausa. Faz-nos bem. Aqui, como em casa ou em tantas outras coisas, é sempre bom termos um momento em que paramos, repensamos a nossa vida e decidimos o que queremos ser e fazer com ela. E é isso que eu tenho andado a fazer. Tenho andado a organizar a minha vida.

Seguidores

moranguinhos

Este blog possui actualmente:
Comentários em Artigos!
Widget UsuárioCompulsivo